domingo, 11 de outubro de 2015

Pesquisa em Cemitérios


Tem bastante gente que sente uma certa repulsa em pesquisar cemitérios, mesmo entre os genealogistas.

Alguns psicólogos acreditam que é a ideia de encarar a morte o que motiva esse asco.
Se você não estiver entre os que sofrem de Coimetrofobia, que é esse medo intenso de cemitérios, essa postagem pode ser interessante...

Se estiver, talvez tenhamos boas notícias também.



A pesquisa genealógica em cemitérios é um recurso bastante comum para os genealogistas mais experientes e para o pessoal da velha guarda. 

Obviamente ela é muitíssimo ineficaz quando se anda num cemitério a esmo em busca de lápides com sobrenomes iguais ao seus.
Imagina procurar lapide por lápide cada Souza ou Silva de uma cidade grande?

Mas como fazer a busca?

Muitos cemitérios no Brasil já possuem um sistema de busca em totens no próprio cemitério, o que facilita muito a pesquisa. O problema nesses casos é que a maior parte só traz busca de falecidos dos últimos dez ou quinze anos e as buscas são feitas presencialmente, no referido cemitério.

Contudo, há cemitérios que disponibilizam sistemas de busca online
cemitério de Jaú é um excelente modelo do potencial da indexação de campas. No site o pesquisador pode procurar por nome do falecido, pais, data de falecimento ou localização do túmulo.

O cemitério de Santos é outro que conta com esse recurso.

Geralmente se realiza a pesquisa em cemitérios quando não há dados disponíveis em cartórios. Alguns dos ancestrais mais antigos em áreas mais remotas podem sequer ter sido registrados. Essa parte da pesquisa se torna bastante imprecisa. 

Normalmente esse tipo de extração, como um todo, gera dados menos precisos no que se refere aos nomes. Uma regra comum na ciência da genealogia sugere que quanto mais próximo da data de nascimento maiores são as chances de os dados serem corretos.

Contudo, muitas vezes se consegue dados importantes nos cemitérios, principalmente quando se trata de sobrenomes incomuns em cidades pequenas ou buscas por indivíduos específicos. É meio óbvio mas vale a pena ressalvar que sobrenomes iguais não significam parentescos, mesmo em casos como o citado.


As pesquisas nos cemitérios mais antigos são também muito interessantes do ponto de vista cultural e histórico. A arte cemiterial é muito diversa e normalmente faz sim a gente ponderar um instante sobre a vida e a morte. 


Info: Todas as fotos que ilustram essa postagem foram feitas pela autora com câmera analógica e filme asa 100 no cemitério da Saudade em Piracicaba, (SP), um dos mais antigos cemitérios do estado de São Paulo. 

...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...